29 de dezembro de 2012

O torturador esta de voltar


 


Em pelo menos 111 países, inclusive no Brasil, pessoas foram torturadas durante algum tipo de interrogatório em 2009, segundo relatório anual de 2010 da Anistia Internacional. Nações desenvolvidas, como EUA, Alemanha e Reino Unido, também entram nesta lista vergonhosa sob o pretexto de luta contra o terrorismo. Veja sete métodos comuns de tortura usados atualmente

Espancamento
Sem necessidade de instrumentos, é das formas de tortura mais comuns. O pior é que muitas vezes é até incentivado pela população que pede “vingança” contra algum bandido (isso quando não faz com as próprias mãos). como podemos sitar o casa do chamado "MOSTRO DO RANGEL"   um fato ocorrido no Estado da paraíba  onde o torturado é rra o próprio Diretor do Presidio Foscolo da Nóbrega (Roger) na capital da Paraíba o Sr Dinamerico Cardin,que apouco dias em veis de ser presos.foi condecorado e agora e Diretor do Grupo Especial de  intervenções penitenciaria( GEPOE) isso foi mais uma lambança cometida pelo atrabalhado Secretario de Administração Penitenciaria da Paraíba O coronel Washington França da Silva um a violência cometida. Podem ser socos, pontapés, tapas, etc. A falanga, por exemplo, é a batida repetida nos pés ou nas mãos que pode fazer a pessoa até perder a sensibilidade na região. O  relatório de 2010 da Anistia Internacional aponta que a prática ainda é utilizada em países como Brasil, África do Sul, Alemanha, Angola, Arábia Saudita,  China, Iraque, México, Síria e Irã.

Privação de sono
Música alta, barulho ou simplesmente perturbação constante. Vale tudo para não deixar o preso dormir por horas e horas. A ideia é esperar que a privação do sono leve a pessoa a uma confusão mental tão grande que acabe revelando informações. Isso quando não o faz ainda em consciência por não resistir mais ao esgotamento. O método ainda é utilizado em países como EUA, Arábia Saudita, Alemanha, China, Israel e Palestina, segundo o relatório da Anistia Internacional.

Choques elétricos
Não é coisa apenas de regimes ditatoriais, é uma prática usada ainda nos dias de hoje principalmente por deixar poucas evidências físicas. Segundo a Anistia Internacional, empresas até europeias fabricam uma espécie de algema de eletrochoque que dá descargas de até 50.000 volts para ser usada em interrogatórios, entre outros instrumentos do tipo. Os choques elétricos ainda são comuns em países como África do Sul, Rússia, Arábia Saudita, Egito, EUA, Iraque e Síria.

Pendurar pelos membros
Método ainda comutantemente empregado na Turquia, EUA, Arábia Saudita, China e  Iraque, além de deixar a pessoa transtornada, a suspensão prolongada das vítimas pelos tornozelos ou pulsos pode causar danos permanentes como paralisia dos membros. Foi um dos métodos dos quais soldados americanos foram acusados de aplicar a presos no Iraque. Coincidência ou não, foi também muito usado no Vietnã contra militares dos EUA.

Estupro
Não apenas a violência pela simples violência, o estupro de familiares da vítima ou dela mesma é mais um meio de coerção para se conseguir informações. A violação sexual de homens e mulheres é ainda mais comum em regiões de conflito e foi considerado crime de guerra durante os confrontos nos Bálcãs e em Ruanda na década de 90, entre outros. O estupro é um métodos de tortura ainda empregado em países como Bolívia, Egito, Haiti, Indonésia, Irã, México, Congo, Guatemala e El Salvador.

Execução simulada
Consiste em aterrorizar a vítima com a ideia de que ela será morta. Em geral, com olhos vendados ou não, o preso tem uma arma colocada em sua cabeça ou boca e disparada sem munição. O barulho do gatilho é suficiente para levar a uma situação de limite de estresse. A técnica é usada ainda para simular execução de familiares e fazer a vítima acreditar que outros pagarão por seus “erros”. O relatório da Anistia Internacional aponta que a execução simulada ainda é prática comum nos EUA e Irã.

Asfixia
Assim como o choque elétrico, é comum pela ausência de vestígios depois. Ainda praticado na África do Sul, EUA e França, a asfixia pode ser provocada com saco plástico na cabeça ou com rápidos afogamentos  em toneis de água. Como a sufocação é uma das piores sensações físicas, tende a enfraquecer a vítima e a deixá-la atordoada.




Perícia constata que 'monstro do Rangel' foi 

agredido


Apesar do resultado definitivo dos exames de corpo de delito realizados no detento Carlos José dos Santos, que matou cinco pessoas no Rangel, ainda não ter sido divulgado, já se sabe que houve agressão. Até agora, de acordo com o laudo da perícia entregue à Secretaria de Cidadania e Administração Penitenciária do Estado, é que o detento sofreu lesões nas costa e no tórax.










Na semana passada, familiares denunciaram que presidiários estavam sendo torturados na Paraíba em um protesto na frente do Palácio da Redenção. As denúncias de tortura entraram no foco da mídia após a divulgação de um vídeo na internet no qual o homem que assassinou cinco pessoas da mesma família (entre elas uma mulher grávida de gêmeos) era torturado supostamente por agentes penitenciários. O vídeo foi exibido em rede nacional ontem a noite pelo Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão. Por causa das denúncias, o diretor do presídio do Roger,  Dinamérico Cardim,  onde o detento se encontra, foi afastado até a conclusão da sindicância.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), José Mário Porto, disse recentemente em entrevista está indignado com as denúncias de tortura a presidiários na Paraíba e que vai instaurar  uma Comissão de Direitos Humanos para apurar as denúncias de maus tratos. Carlos José dos Santos deve ser transferido para o Presídio do Rio Grande do Norte para preservar sua integridade física. 

Vejam video 







A volta do Torturador 





O super atrapalhado Secretário da administração penitenciária, o coronel da Polícia Militar da Paraíba Washington França da Silva, conhecido por não receber os Diretores das unidades penais e também de passar o dia trancado na sua sala jogando video game, autor de várias trapalhadas na pasta. Nos últimos dias ele cometeu mais uma lambança quando nomeou como coordenador do Grupo de Operações Especiais Peniteciária (GEPOE) nada mais, nada menos que o ex-diretor do Presídio Foscolo da Nobrega(Roger) o Sr. Dimamérico Cardin um dos maiores torturadores da Paraíba.

 Relembrando um pouco a trajetória de Dinamérico no ano de 2009 foi demitido do cargo após varias denuncias de torturas, inclusive sendo exibido em rede nacional um vídeo onde o próprio diretor Dinamérico torturava os presos,  também o ex-diretor e agora agente penitenciário foi acusado de ter participado do espancamento que levou a morte  um preso por nome de Alexandre Valentina  conhecido como ( Madruga) que cumpria pena no presídio Pb1 em Jacarapé este foi espancado até a morte.

 Agora eu pergunto como pode uma pessoa desta ter sido nomeado como agente penitenciário e também receber a coordenação de um grupo tão importante da Seap? Por onde anda os processos que torturas e homicidios que ele responde? Com a palavra o senhor atrapalhado secretário. Pois toda sociedade tem certeza que o Governador Ricardo não tem conhecimento destes fatos, e sabemos que assim que ele o governador tomar conhecimento vai tomar providencia inerente ao caso.

 Pois segundo os próprios agentes penitenciários os desmando do Sr Dinamérico Cardin continua no último mês quando fazia uma incursão no presidio do Roger provocou os presos espancou e chegou a jogar spray de pimenta no presos, dizendo em alto e bom tom que  quem mandava no sistema penitenciario da paraiba era ele Dinamerico.





POSTADO POR EQUIPE FOCO PB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário