15 de agosto de 2012

NOVAS DO FOCOPB


NO APAGAR DAS LUZES: CMJP aprova novo salário de R$ 16,7 mil para vereadores.


   
 




















Não é apenas o número de vereadores que vai aumentar no próximo ano em João Pessoa. Além de passar de 21 para 27 parlamentares, outro acrescimo já está certo para acontecer no parlamento: nos salários dos legisladores. Somente agora descobrimos que nos derradeiros minutos da sessão que encerrou o último semestre, quando até a imprensa já se preparava para encerrar seus trabalhos, os vereadores aprovaram o aumento, passando o valor  de R$ 9.280,00 para R$ 16.700,00.

Levando em consideração apenas a diferença (R$ 7.420,00), João Pessoa terá que gastar R$ 200 mil por mês a mais para bancar o novo salário. Ainda destacando apenas ao acréscimo  Por ano, serão R$ 2.404.080,00 e no mandato, R$ 9.616.320,00.

Contas com mais cifras - Somando os novos salários de todos os 27 vereadores da Capital - que serão eleitos no dia 7 de outubro - o gasto mensal chega a R$ 450.900,00; por ano são R$ 5.410.800,00; por legislatura R$ 21.643.200,00.  





Candidata a prefeita defende pedágio urbano e venda de maconha.






















 A candidata do PPS à Prefeitura de São Paulo, Soninha Francine, disse nesta quarta-feira (15) durante sabatina Folha/UOL que defende a implementação do pedágio urbano a R$ 3 --mesmo valor da tarifa de ônibus-- e a venda legal da maconha em comércio regularizado, como bares.

Ela também criticou a gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) e afirmou que sua candidatura não tem o objetivo de ajudar José Serrá, candidato do PSDB. "Eu fico louca da vida com essa insistência."

Sobre o pedágio urbano, Soninha afirmou que existe um estudo do arquiteto e urbanista Candido Malta com relação à cobrança. “Ele defende [que seja] no centro expandido, onde hoje vigora o rodízio, ele tem o cálculo completo. Não assino embaixo dessa proposta, faria um perímetro menor”, afirmou a candidata.

Para ela , a desvantagem de haver um pedágio urbano é a cobrança, já as vantagens são não proibir o trânsito em nenhum horário e arrecadar verba para melhorias do transporte público. Ela disse que, se eleita, fará um plebiscito na cidade para que a população decida pela adoção ou não da medida.

“Vocês preferem um rodízio ampliado ou pedágio urbano? Se optarem por nenhum das alternativas, vou dificultar cada vez mais o acesso dos carros [à região central], diminuir vagas para carros particulares e fazer garagens gratuitas em estações de metrô fora do centro”, afirmou.

Soninha disse que a cobrança não é uma forma de penalizar o motorista. “Ele pode ter carro, mas ele tem que arcar com os custos que a cidade toda paga. O automóvel ocupa 80% do espaço viário e não é justo.”

Maconha vendida como cerveja

Durante o evento, Soninha defendeu a legalização da maconha e a venda da droga da mesma forma como as bebidas alcoólicas são negociadas. "Seria vender como cerveja. [Em bar], por exemplo. Os bandidos têm o monopólio do comércio. Eles é que fazem o modelo de concorrência. Eles é que recrutam a mão de obra, inclusive molecada de 13 anos. Eles matam adolescente na frente da mãe aqui na Brasilândia [zona norte]. Se esse comércio fosse praticado por pessoas decentes, que pagam impostos, eu acredito mesmo que seria um bem para a sociedade", disse Soninha.

"Prefiro que o monopólio desse comércio não seja do PCC [Primeiro Comando da Capital, facção criminosa]", disse a candidata.

Soninha, que em 2001 admitiu publicamente fumar maconha em uma entrevista à revista Época, disse que hoje não consome mais a droga. “Por causa da minha religião, o budismo”. Questionada, Soninha disse que não se arrepende da declaração, que na época custou seu emprego de apresentadora de um programa voltado para o público jovem na TV Cultura.






Nenhum comentário:

Postar um comentário