5 de agosto de 2012

NOTICIAS FOCO PB VEJAM!


Machucou.


Quando o governador Ricardo Coutinho disse, durante anúncio de R$ 1 bilhão em obras para João Pessoa, o “Estado se reencontra com a Capital”, a frase promoveu um forte efeito e resumiu toda ação do momento. Num primeiro instante pareceu que falava do próprio governo, que priorizou investimentos no interior e, a partir de agora, estava “voltando pra Capital”. Mas o governador deixou claro que estava falando nas gestões anteriores, que nunca teriam dado à devida atenção a João Pessoa como a atual gestão passou a dar. A tese, plasticamente muito bem posta, atingiu alguns ´cassistas´, que passaram o resto do dia fazendo compressa na consciência.






Presidente do PMDB diz CPI da Cagepa não mela Maranhão.

Se o presidente do PMDB, Antônio de Sousa, fala mesmo, como dizem, pela boca do ex-governador Zé Maranhão, então o silogismo nos permite dizer que “Maranhão não teme a CPI da Cagepa”.
 
Foi o que disse ontem Antônio de Sousa em conversa com o blog a respeito da iniciativa do deputado Frei Anastácio de instalar Comissão para investigar as gestões dos últimos vinte anos da Companhia.
 
“Maranhão deixou em 2002 a Cagepa superavitária. Foi a partir de 2003 que ela começou a ter problemas. A CPI que vier não o atingirá”, declarou Sousa.
 
Para muitos, o (grande) problema não está nos dois primeiros governos de Maranhão. Mas no terceiro, que também passará pela investigação, caso haja.




Call Center: Agra quer enviar novo texto e pede pressa pra CMJP vetar lei.

A Câmara Municipal de João Pessoa já deverá votar nesta terça-feira veto do prefeito Luciano Agra sobre projeto de lei concedendo incentivos fiscais para instalação da empresa da Call Center na Capital.
 
O pedido de urgência foi feito pela própria prefeitura ao presidente da Câmara, vereador Durval Ferreira (PP), nesta sexta.
 
O prefeito Luciano Agra quer agilizar o processo de envio do novo texto com base nos termos do Protocolo de Intenções que foi assinado no início do ano. Ele alega que houve modificações indevidas por parte dos vereadores.
 
Na quarta, o prefeito já tem uma audiência com representantes da empresa. Garante que vai reafirmar o compromisso de garantir cenário favorável à instalação da empresa. Assim que a matéria for vetada e voltar à prefeitura, ele promete enviar novo texto.
 
Para o governo do Estado, que intermediou a relação, a atitude de Agra ameaça a instalação da empresa.







Hervázio e Aníbal fazem as pazes.

 
As posições políticas já não eram tão convergentes, mas a relação do líder do governo na Assembleia, Hervázio Bezerra, com Aníbal Marcolino, um dos mais contundentes deputados da oposição, azedou mesmo quando circulou a informação de que foi o oposicionista que barrou a entrada do tucano no PEN. De pronto, Aníbal negou tudo. E foi além: disse que iria, por questões de relações familiares, ajudar a campanha do filho de Hervázio, o jovem Léo Bezerra, pra vereador em João Pessoa. Foi o suficiente para dobrar o tucano. Esta semana, depois de semanas sem cumprimenta-lo, Hervázio chamou Aníbal e fez um agradecimento com direito a testemunhas e tudo. “Gesto se paga com gesto”, resumiu Hervázio.



Balanço maldito: TCE identifica em 2011 desvio de R$ 37 milhões em toda Paraíba.


Já está circulando pelas redações dos jornais na Paraíba o relatório de atividades do tribunal de Contas do Estado, órgão que fiscaliza a aplicação dos recursos públicos estaduais e municipais, no ano de 2011. E ele não traz um balanço muito alentador.

De acordo com o relatório, que queimou as mãos deste humilde blogueiro, o TCE identificou em 201, ao julgar contas de prefeituras, câmaras e órgãos estaduais, cerca de R$ 37 milhões na Paraíba. Exatos 829 gestores públicos foram responsabilizados pelo TCE por desvios de recursos.

Ao todo, foram remetidos 707 acórdãos do TCE para que o Ministério Público proceda as ações cabíveis e faça a cobrança de exatos R$ 37.787,099,42. A maioria referente a prefeituras. Somente das gestões municipais foram 439 acórdãos condenando gestores públicos.

Não dá pra dizer se aponta que a corrupção na Paraíba vem aumentando ou é o cerdo do TCE que vem ficando cada vez mais rigoroso. O fato é que, pelo balanço do TCE,, as gestões públicas na pequenina Paraíba deixaram de aplicar R$ 37 milhões em serviços pra população porque o ato de furtar, secularmente denunciado nos sermões do Padre Anônio Vieira, não deixou.

Esperamos que a Justiça da Paraíba possa ser célere na condenação desses gestores e, especialmente, na recuperação desses valores.

 




POSTADO POR FOCOPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário