22 de julho de 2012

INICIO DAS NOTICIAS NO FOCO PB VEJAM !


Tirar a primeira via da carteira de identidade agora é de graça.












A emissão da primeira via da carteira de identidade passou a ser gratuita em todo o território nacional. A determinação está na lei sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada no Diário Oficial da União da última quinta-feira. Antes da lei, a primeira via do documento custava R$ 10,11. A segunda via continua sendo cobrada no valor de R$ 16,85.
Somente em junho, 10.930 pessoas solicitaram a primeira ou segunda via do documento na Paraíba nas oito casas da cidadania e a expectativa é que o atendimento aumente em 50% com a nova determinação.
De acordo com a assessora operacional da gerência executiva das casas da cidadania, Kaithia Portela, o número de solicitações de carteira de identidade deverá ser maior agora.
“Muita gente carente precisa desse serviço e antes quem não podia pagar a taxa era encaminhada para o Programa Cidadão. Agora, todos poderão tirar o documento de graça. O IPC (Instituto de Polícia Científica) e o Detran são os que mais realizam atendimentos nas casas da cidadania”, afirmou.
O Programa Cidadão, que possui um posto fixo localizado na Rua Gama e Melo, no Varadouro, em João Pessoa, mas também é itinerante, realizou, de 1º de janeiro a 7 de julho deste ano, 11.570 atendimentos em todo o Estado.
Em junho, a casa da cidadania em Campina Grande foi a que registrou maior quantidade de solicitações de carteira de identidade: 2.883. Em seguida, aparece a filial de Patos, com 1.740 atendimentos; a de Jaguaribe, com 1.474; a do shopping Tambiá, com 1.444; a do shopping Manaíra, com 1.277; a de Mangabeira, com 1.081; a de Guarabira, com 664 e a de Cabedelo, com 367 atendimentos no período. A casa da cidadania de Sousa já foi aberta para visitação, mas ainda será inaugurada para a oferta de serviços à população.
Documentação
Para solicitar a primeira via da identidade, são necessários os seguintes documentos: certidão de nascimento original ou a cópia autenticada no mesmo cartório de emissão do documento, 2 fotos 3x4 recentes e o CPF, caso a pessoa já possua.
A casa da cidadania em Jaguaribe funciona das 8h às 17h30, de segunda a sexta-feira. Já a do shopping Tambiá funciona de segunda a sexta, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 13h.


Greves na PB: alunos sem aula, cirurgias suspensas e mercadorias encalhadas no porto e aeroporto.














Universidades, hospitais e outros órgãos públicos federais estão com as atividades paralisadas em todo o Estado. Algumas paralisações já se arrastam há meses, deixando a população sem serviços essenciais. Além das duas universidades federais, da Paraiba e de Campina Grande, outros cinco órgãos federais estão com serviços paralisados na Paraíba: IFPB, Anvisa, Incra e IBGE. 
No Hospital Universitário Lauro Wanderley - o HU, em João Pessoa - pelo menos 105 mil procedimentos médicos deixaram de ser realizados durante os 35 dias em que o hospital entreou em greve. 
Entre os procedimentos não realizados estão, consultas ambulatoriais, exames, atendimentos em várias especialidades e os tratamentos nas clínicas-escola. 
De acordo com o superintendente do HU da Capital, João Batista, além dos 105 mil procedimentos não realizados, cerca de 700 cirurgias também não foram realizadas nesse período da greve.  “Apenas os procedimentos de urgência e emergência estão sendo realizados no hospital. Assim como as cirurgias de urgência e os tratamentos contínuos”, ressaltou.
IFPB
A greve do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFPB) dura 43 dias, e cerca de 19 mil estudantes estão sem aula. De acordo com o pró-reitor do IFPB, Paulo de Tarso, afirmou que o semestre não será cancelado. “Quanto mais tempo durar a greve, maior o transtorno para os alunos. Mesmo assim, não existe a possibilidade do período ser cancelado”, assegurou.
UFCG
Os professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) rejeitaram, na manhã de sexta-feira (20), a proposta de carreira apresentada pelo governo federal à categoria. Os docentes decidiram durante uma assembléia manter a greve por tempo indeterminado.
As principais reivindicações dos professores são a reestruturação da carreira docente, valorização do  trabalho e melhoria das condições de trabalho. Os docentes da UFCG estão em greve desde o dia 17 de maio. A próxima reunião de negociação com o Ministério do Planejamento está prevista para próxima segunda-feira.
Servidores
Mais de 6 mil servidores técnicos administrativos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) estão em greve há mais de 40 dias.
A categoria luta pelo reajuste salarial congelado há 3 anos, realização de concurso público para preenchimento de 5 mil vagas nas instituições federais de ensino superior e destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação.
Já os docentes da UFPB, UFCG estão parados há 65 dias, pouco mais de dois meses. Oitenta mil estudantes da UFPB, UFCG e IFPB estão sem aulas no Estado. O semestre deveria ter acabado no último dia 6, mas ainda faltam 42 dias para terminar o período 2012.1.
Anvisa
A greve dos fiscais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na Paraíba começou na última quarta-feira, mas já é possível perceber alguns prejuízos. Uma carga de materiais cirúrgicos continua retida no aeroporto Castro Pinto, no município de Bayeux.
Já um navio petroleiro está atracado desde a última quinta-feira no Porto de Cabedelo, na Grande João Pessoa. O documento de Livre Prática que permite o carregamento ou descarregamento não foi emitido, sendo assim, a mercadoria continua presa nesses locais. 
Segundo o secretário estadual do Sindicato Nacional das Agências Reguladoras, João Barbosa, a liberação do navio ainda está sendo discutida, mas enquanto isso a embarcação permanece atracada.
O prazo normal para fiscalização e liberação das mercadorias no aeroporto é de dois dias. Ele lembrou que apesar de estar sendo proibida a emissão do certificado internacional de vacinação contra a febre amarela, os passageiros que se deslocaram ao local, 48h antes da viagem poderão receber o documento que é feito na hora.
IBGE
Já a greve dos funcionários do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), começou oficialmente dia 25 de junho, mas os funcionários começaram a paralisação no dia 18 de junho.
Um dos coordenadores do Sindicato dos Servidores na Paraíba, Reginaldo Madruga, informou que apenas uma agência das 11 no Estado funciona que é a da cidade de Itabaiana. “Foi uma solicitação nossa para poder atender aquela região. Mas todas as pesquisas estão paradas”, afirmou. Ele lembrou que na próxima terça-feira, a executiva nacional do Sindicato se reúne, por volta das 10h, com a equipe do Ministério do Planejamento para avaliar a proposta da categoria.
SERVIÇOS PARALISADOS PELAS GREVES:
IBGE: Pesquisas diversas foram suspensas e biblioteca foi fechada;
UFPB, UFCG e IFPB: Alunos da graduação estão sem aulas, cirurgias eletivas e consultas nos hospitais universitários não estão sendo feitas, restaurantes e bibliotecas estão fechadas. Todos os serviços de extensão à comunidade, como creche, cursinho pré-vestibular e clínicas;
INCRA: Estão suspensos os certificados de cadastro de imóvel rural, a declaração de aptidão do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (que concede empréstimos e linhas de crédito a agricultores), a declaração para a aposentadoria dos agricultores e construções de pontes, estradas, poços e casas nos assentamentos rurais.


Eleição para prefeito de JP está indefinida.


Toda pesquisa quantitativa necessita ser analisada e interpretada para que se compreenda o real significado dos números, sobretudo quando se cruzam os percentuais da espontânea e da estimulada. Das análises qualitativas que processaremos sobre a pesquisa Ipespe, não temos dúvidas em afirmar que as eleições para prefeito de João Pessoa, estão, literalmente, indefinidas.

A pesquisa Ipespe, contratada pelo Jornal da Paraíba, está medindo visibilidade eleitoral de grandezas diferentes porque compara dois candidatos conhecidos e populares com outros que não são tão conhecidos. Isso fica evidente quando se percebe que o candidato José Maranhão (PMDB) atingiu o topo de sua visibilidade, sendo conhecido por 91% dos eleitores, enquanto Cícero Lucena (PSDB) detém 87% de conhecimento.

Já Luciano Cartaxo (PT) e Estelizabel Bezerra (PSB) detêm conhecimento pessoal, respectivamente, de 61% e 43%. Cícero e Maranhão dispõem de pouco espaço para crescer em visibilidade. Apesar desse nível de exposição, na votação estimulada, a soma de Maranhão e Cícero é de apenas 54%.

O percentual de intenção de voto espontânea traduz os votos garantidos dos candidatos, no dia da votação; votos que somente um fato bombástico poderia alterar. De modo imediato, o que chama a atenção após a leitura dos números é que 57% dos eleitores de João Pessoa estão abertos a votar em um nome diferente dos políticos mais tradicionais, que são Maranhão e Cícero (juntos, eles somam 30% das intenções na pesquisa espontânea).

Além disso, as rejeições de Maranhão e Cícero (que projetam 28% e 23%, respectivamente) estão arraigadas no eleitorado, sendo difíceis de serem revertidas. Cícero tem maior possibilidade de reduzir sua rejeição, se conseguir limpar sua imagem ligada às denúncias de corrupção relacionadas ao chamado “Escândalo da Confraria”. O candidato tucano, entretanto, corre o risco de enfrentar muitos gargalos, porque o que ele disser, agora, vai parecer desculpas de campanha. Já Maranhão apresenta a imagem desgastada, dados os vários anos de exposição como gestor público, o que leva boa parte do eleitorado a entender que ele deveria dar vez aos mais novos.

O índice de rejeição de 19% de Luciano Cartaxo pode ser considerado como menos
preocupante em comparação aos dois candidatos que lideram a disputa para prefeito de
João Pessoa. Isso significa que o candidato petista ainda tem espaço para crescer, o que lhe possibilita ampliar a abrangência e a profundidade de sua visibilidade.

Embora apresente a maior rejeição nominal dos candidatos (33%), Estelizabel Bezerra tem como minimizar esse aspecto negativo, uma vez que tal rejeição não é relacionada à sua pessoa, mas, possivelmente, à imagem pessoal do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho.

Outro aspecto que pode favorecer a candidatura socialista é que Estelizabel também
apresenta o menor percentual de conhecimento pessoal, dentre todos os postulantes. Um
trabalho competente de marketing poderá reduzir - e muito - esse patamar de rejeição,
apresentando a candidata como identificada com os problemas da cidade e que tem
conhecimento sobre a realidade dos bairros, adquirido no exercício de suas funções de
secretária de Planejamento da capital.

Uma tendência que também deve ser avaliada é que os números espontâneos e estimulados indicam que o apoio do prefeito de João Pessoa, Luciano Agra, ao candidato petista Luciano Cartaxo teve um impacto bem menor do que se esperava no crescimento do índice de intenção de votos. O que se depreende que o prefeito da capital ainda não conseguiu transferir a avaliação positiva de sua administração ao seu apoiado. Os demais candidatos não apresentaram números significativos que possibilitassem uma análise qualitativa.

SEGUNDO TURNO
Pelos dados da quantitativa, seria prematuro projetar tendências para o segundo turno
porque o desenrolar das campanhas terá influência decisiva para a definição dos candidatos. Se os candidatos não tradicionais, no caso Luciano Cartaxo e Estelizabel Bezerra, não forem convincentes, Cícero Lucena e José Maranhão irão para o segundo turno. Não será surpresa, porém, se Estelizabel e Luciano forem para o segundo turno, caso a imagem de Cícero seja desconstruída e a rejeição de Maranhão, mantida.





Um comentário:

  1. O governador pode fazer caminhada até Aparecida porque sua candidata não passa do primeiro turno.É resposta do sociedade e principalmente dos servidores a sua arrogância e prejudicar principalmente a educação e segurança

    ResponderExcluir