26 de abril de 2012

BOMBAS DO PSB VEJAM AI!

No hospital, prefeito Luciano Agra deve responder posicionamento de socialistas nesta quinta em João Pessoa

Agra participa da inauguração do novo bloco cirúrgico do Hospital Municipal do Valentina

 
Depois da revolta declarada dos socialistas às demissões na Prefeitura de João Pessoa, o prefeito Luciano Agra (PSB), que retorna na madrugada desta quinta-feira (26) à Capital, fará sua primeira aparição pública no Hospital do Valentina, onde deve comentar as declarações contra sua pessoa.

A assessoria do prefeito confirmou  que está na agenda de Agra a participação dele na inauguração do novo bloco cirúrgico do Hospital Municipal do Valentina (HMV). A solenidade irá acontecer às 9:00 horas.

Com a abertura do Bloco Cirúrgico do HMV, serão contemplados lactantes, pré-escolares, escolares e adolescentes até 15 anos que necessitem de cirurgias eletivas na modalidade ambulatoriais, tipo Hospital Dia.




Coriolano acusa Agra de usar cargos da PMJP para beneficiar pré-candidato do PPS

Declaração foi dada pelo socialista, durante reunião convocada às pressas pelo PSB

  
Mais um socialista mirou na manhã desta quarta-feira (25), contra o prefeito de João Pessoa, Luciano Agra (PSB). O ex-secretário municipal e irmão de Ricardo Coutinho (PSB), Coriolano Coutinho (PSB), acusou o gestor de estar usando a prefeitura para beneficiar a campanha do pré-candidato a prefeito da Capital pelo PPS, Nonato Bandeira.

A declaração foi dada pelo socialista, durante reunião convocada às pressas pelo PSB. Questionado se a reforma administrava do prefeito era para favorecer o postulante do PPS, Coriolano não mediu as palavras e afirmou que situação ocasionada por Agra favoreceu o partido e prejudicou o PSB.

“O prefeito tem com Nonato uma conta amizade e essa reforma eu não tenho dúvida que beneficiou o PPS e prejudicou o PSB”, disparou.

Coriolano acrescentou ainda que estava decepcionado com alguns colegas de partidos e afirmou desaprovar a postura adotada por eles.

Entenda - Na últimas semana, o gestor pessoense tomou atitudes drásticas em sua passagem pela Prefeitura, chegando a afastar figuras destacadas do partido, a exemplo do presidente municipal da legenda, Ronaldo Barbosa. Outros afastamentos recentes surpreenderam a todos: quando era certo que os ricardistas Coriolano Coutinho e Laura Farias estariam blindados em suas secretarias, o prefeito foi sumário em seus afastamentos.





CRISE: Rosas renúncia a cargo na PMJP

CRISE: Rosas renúncia a cargo na PMJP CRISE: Rosas renúncia a cargo na PMJP e classifica ‘guilhotina’ de Agra como desrespeito

“Por mais que as coisas pareçam difíceis, elas sempre podem piorar”. A frase acima se encaixa bem ao atual momento vivido pelo PSB de João Pessoa. É que após a ‘guilhotina’ do prefeito Luciano Agra (PSB) que exonerou todos os indicados do governador Ricardo Coutinho (PSB) na gestão municipal, agora quem resolveu ‘tomar as dores’ dos colegas foi o presidente estadual da sigla na Paraíba, Edvaldo Rosas.

Na manhã desta quarta-feira (25), em coletiva a imprensa, Rosas decidiu renunciar ao cargo de Assessor Especial da Prefeitura Municipal de João Pessoa e ainda considerou como um desrespeito à demissão dos aliados na gestão Agra sem ao menos um ‘aviso prévio’.

“O processo de exoneração, que teve inicio em fevereiro, sem conversa prévia com nenhum dos exonerados é uma atitude de profundo desrespeito com auxiliares históricos da sua gestão e do nosso projeto”, lamentou Rosas em carta renúncia.

Para o presidente do PSB paraibano, o partido precisa ser mais respeitado pelo prefeito Luciano Agra, que também ocupa cargo na Direção Nacional da legenda. “Vários companheiros foram exonerados da Prefeitura sem sequer serem comunicados. O companheiro Rubens Freire, por exemplo, soube de sua exoneração pela sua secretária. O respeito é bom e nós queremos ser respeitados”, enfatizou Edvaldo.

"Na verdade, o que temos visto é um processo de esvaziamento da participação do PSB na Administração Municipal. Além disso, chegam as informações de que os companheiros que trabalham na Prefeitura e que defendem explicitamente o projeto do partido vêm sofrendo um processo de intimidação”, disse o socialista.

Ainda segundo Rosas, a lista de exonerados pelo prefeito da Capital, Luciano Agra, é significativa e reveladora, no entanto, o socialista preferiu não explicar os significados e tampouco desvendar às ‘revelações’ a que se referiu.

Mesmo entoado de criticas ao prefeito, o dirigente do PSB negou que sua atitude de deixar a PMJP seja um rompimento com Luciano Agra. “Não é um rompimento, mas é uma forma de repudiar o que está acontecendo”, avisou.

 *Veja abaixo a íntegra da Carta Renúncia*:


“João Pessoa, 25 de abril de 2012



Excelentíssimo Sr. Prefeito


Luciano Agra


Venho, por meio desta, encaminhar meu pedido de exoneração, em caráter irrevogável, do cargo de assessor especial que exerço junto ao Gabinete do Prefeito, pelas razões que passo a apresentar.


Na condição de presidente do diretório estadual do Partido Socialista Brasileiro, não posso continuar assistindo inerte às iniciativas tomadas por vossa excelência no que resolveu alcunhar de reforma administrativa, esvaziando a participação do PSB no governo do Município de João Pessoa e na mesma medida ameaçando a participação de militantes históricos do socialismo na construção do projeto político que governa a Paraíba e a capital dos paraibanos.


A história da construção dessa gestão que hoje se volta contra seu próprio partido e busca confundir sua própria militância, teve início em 2004 por um dos processos eleitorais mais inovadores que vivenciamos na Paraíba, no qual os princípios da democracia participativa e da republicanização catalisaram os anseios da sociedade e elegeram o companheiro Ricardo Coutinho para Prefeito dessa cidade. Em 2008 dando continuidade ao projeto concorremos ao processo eleitoral tendo que tomar uma decisão importante. Manter o projeto na condução única do partido construindo uma chapa majoritária apelidada de “*puro sangue”*.


Sua escolha da condição de vice-prefeito nas eleições de 2008 contrariou toda a regra da disputa partidária, pois naquela ocasião não se podia lhe atribuir capital político, financeiro ou tempo de televisão, mesmo assim foi escolhido herdeiro privilegiado para cumprir uma missão, por ser considerado leal e de confiança.


Escolhido para cumprir uma tarefa estratégica para o partido perdeu-se em sua execução, não seguiu as orientações partidárias e por decorrência não conseguiu se viabilizar como alternativa eleitoral real, o que culmina na sua desistência a condição de pré candidato.


No dia 04 de abril, em reunião histórica do diretório municipal do PSB, os argumentos apresentados por vários dirigentes partidários lhe convenceram dos equívocos da sua condução de todo o processo e o senhor, assumiu, publicamente o compromisso de cumprir com as decisões partidárias. Na prática, não é o que verificamos. O que é perceptível é um processo de perseguição e intimidação daqueles que se contrapropuseram aos seus propósitos, em debate político profundamente democrático e de alto nível de argumentação.


Lembro ainda que estive em várias reuniões com o senhor, acompanhado de outros dirigentes partidários, tratando de assuntos diversos, dentre eles as mudanças na gestão municipal e a disposição do PSB na construção do melhor para a sua administração que é nossa também. Lamentavelmente, nada do acordado foi cumprido.


O processo de exoneração sem conversa prévia com nenhum dos/das exonerados/as numa atitude de profundo desrespeito com auxiliares históricos da sua gestão e do nosso projeto teve inicio ainda em fevereiro. A lista é grande, significativa e reveladora


Vejamos: Coriolano Coutinho, Secretário Geral do PSB, Ronaldo Barbosa, Presidente Municipal do PSB, Rubens Freire, Vice-presidente Municipal do PSB, Laura Farias, Tesoureira do PSB, e vários/as outros/as companheiros/as que não ocupam cargo no partido e que preservo suas identidades por conta do clima de receios e temores criado por suas ações no ambiente da gestão municipal. Situação que está comprometendo o nosso projeto.


Diante do descrito, reafirmo o meu pedido. Entretanto, como dirigente partidário, devo persistir no diálogo que possa vir a superar as divergências e possíveis incompreensões que existam entre nós, mas mantendo a coerência e a autonomia que se fazem necessárias nessa conjuntura. Aguardo, sinceramente, que a construção de uma sociedade socialista que é aquilo que nos uniu seja tratada como o bem maior de nossas atitudes políticas.



Fidelidade partidária, lealdade e confiança.

Edvaldo Rosas – Presidente Estadual do PSB”






Sandra Marrocos culpa secretária Roseana Meira pelos problemas dentro do PSB

A vereadora Sandra Marrocos (PSB) afirmou, durante entrevista na manhã desta quarta-feira (25), que está se sentindo completamente traída pela reforma administrativa que a Prefeitura de João Pessoa vem fazendo em seus auxiliares.

Ela lembrou que o partido lutou 20 anos para administrar João Pessoa e agora o prefeito Luciano Agra vem tirando alguns militantes históricos que, segundo ela, ajudou a construir a unidade do partido e citou como exemplo o secretário Ronaldo Barbosa que foi exonerado recentemente.

“Quando Agra entregou a Carta de Renúncia eu fui a primeira a me manifestar dizendo que não, pedi que ele fizesse uma reavaliação, e agora que o partido decidiu pela candidatura de Estela isso aconteceu”, desabafou ela. “Tenho meu carinho, afetividade e meu respeito pelo companheiro Luciano Agra ele sabe disso”, complementou.

A vereadora também culpou a secretária de saúde do município, Roseana Meira, pelos conflitos interno que vem ocorrendo dentro do partido Socialista e toda militância. “Ela é uma desagregadora do projeto do PSB”, disse. 

“Não vou admitir que atitudes tomadas de forma individual ou ouvindo pessoas equivocadas como a secretária Roseana Meira coloque em xeque todo um projeto que foi construído”, finalizou a vereadora.




POSTADO POR FOCO PB.














Nenhum comentário:

Postar um comentário