21 de fevereiro de 2012

'Havia acordo para não ter campeão', dizem presos

Homens detidos na confusão afirmam em depoimento que 13 escolas fizeram um 'acordo de cavalheiros' para evitar anúncio do título




Tiago Ciro Tadeu Farias e Cauê Santos Ferreira, presos nesta terça-feira na confusão que interrompeu a apuração do título do carnaval de São Paulo, afirmaram em depoimento que havia "um acordo de cavalheiros" para que nenhuma escola saísse campeã hoje. Eles prestaram depoimento ao delegado Osvaldo Nico Gonçalves, da Delegacia de Turismo.

A troca de dois jurados, na quinta-feira, 16, um dia antes do início dos desfiles, motivou o combinado que envolveu 13 escolas --apenas a "campeã", que seria beneficiada pela troca, não participou do acordo, na versão dos presos. Eles não disseram qual seria essa escola. A Mocidade Alegre estava na frente, muito próxima do título, quando a leitura dos votos foi interrompida.

Pouco antes da confusão tomar todo o sambódromo, com a invasão do palco e o roubo dos votos, Darci Silva, o Neguitão, presidente da Vai-Vai, começou a incitar membros da própria escola, da Casa Verde, da Gaviões e da Camisa Verde e Branca: "Tá tudo vendidinho, tá tudo vendidinho", gritava, em alusão aos jurados.

Na sexta-feira, pouco antes do início da apresentação da escola que preside, Silva já havia levantado suspeita sobre a substituição:  "Houve uma troca de jurados na calada da noite, mas já que a Liga (das Escolas de Samba de São Paulo) resolveu, nós vamos para o pau", disse.




POSTADO POR FOCO PB

Nenhum comentário:

Postar um comentário