22 de janeiro de 2012

Médicos e governo não chegam a acordo e pacientes esperam cirurgia.




A situação do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande, continua crítica, depois do afastamento dos médicos ortopedistas cooperados, e pacientes ainda esperam por cirurgias. O quadro de ortopedistas, que até semana passada era formado por 30 profissionais, sendo 24 cooperados e seis funcionários efetivos, foi reduzido para 12.

Uma reunião foi realizada na manhã de ontem entre o diretor técnico do hospital, Flawbert Cruz, e o representante da Cooperativa Campinense dos Ortopedistas, Andrey Wanderley. O diálogo foi para ver de que forma a situação pode ser contornada, tendo em vista que, mesmo com a contratação de seis médicos cariocas para atender em substituição aos cooperados, há dificuldades para suprir a demanda de pacientes que necessitam de cirurgias e de atendimento.

“Na verdade, nosso papel é de intermediação entre a cooperativa e a Secretaria de Saúde, pois é importante que esse canal de diálogo esteja sempre aberto e que haja sempre a consciência de que ambos os lados estão dispostos a resolver a situação”, afirmou Flawbert Cruz.

O ortopedista Andrey Wanderley confirmou que há interesse da cooperativa negociar com o governo do Estado e o que mais tem dificultado um acordo é a demora para a realização do processo licitatório, necessário para que haja a formalização do contrato entre a secretaria e a cooperativa.

O diretor técnico do Trauma adiantou que, caso seja acertado o retorno dos 24 médicos ortopedistas que foram afastados, a intenção é que os médicos do Rio de Janeiro continuem atendendo até que a situação do hospital fique totalmente normalizada. Ele informou também que vai realizar mutirões de cirurgias.



POSTADO POR FOCO PB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário