21 de novembro de 2011

Governo atualiza valor do mínimo de R$ 619,21 para R$ 622,73 em 2012.



O Ministério do Planejamento enviou nesta segunda-feira (21) ofício ao Congresso pedindo a atualização do valor do salário mínimo no ano que vem para R$ 622,73.
                        
Segundo informações da Agência Câmara, a diferença de R$ 3,52 em relação ao valor inicialmente proposto se refere à elevação da estimativa do INPC ( Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que reajusta o mínimo.             
                                                                                       
O aumento na projeção do índice consta do ofício enviado pelo Planejamento ao Congresso, com o objetivo de atualizar os parâmetros econômicos da peça orçamentária para o ano que vem.                                                                                                                                                                                                                                                 

Inicialmente, a projeção de inflação pelo INPC era de 5,7% para este ano o que, somada a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto do ano passado, de 7,5%, resultava em um reajuste do salário mínimo de 13,6%, para R$ 619,21.
                   
A estimativa do INPC foi reajustada para 6,65%, com isso o reajuste do mínimo passa para 14,26% em relação aos R$ 545 atuais.                                  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          
Ainda de acordo com as informações da Agência Câmara, com a mudança, os gastos do governo com o Regime Geral da Previdência Social subirão 6,5 bilhões de reais em relação ao projeto original, para R$ 320,4 bilhões no ano que vem. 
                                                          
A diferença terá de ser coberta pelo relator geral do Orçamento no Congresso, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP).



POSTADO POR GENILDO ALVES/Ministério do Planejamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário