6 de novembro de 2011

Amigos-objeto.


Milton Nascimento tem razão quando na sua música, Canção da América, diz que “amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves dentro do coração”. Acrescenta que deve ficar do lado esquerdo do peito.
Com pretensão, deduzo dizer que o astro pretende afirmar que um amigo verdadeiro seria uma preciosidade rara, que deveria ser preservada de todas as formas e a qualquer preço; com muito respeito e ética, sempre de maneira sadia, com muita curtição. Isso seria a parte simbólica da feliz frase. Até aí tudo estaria correto, se a presunção de amizade não fosse uma relação própria, cada uma com valores e compromissos específicos. É triste porque é uma verdade literal. Ter amigo verdadeiro é mesmo raro. Dá para se denotar o valor material de quase a totalidade dos amigos. Por isso a maioria das amizades tem prazo de validade.

Já afirmaram que o tempo seria o senhor da razão, eis que as duas colocações aos poucos vão se encaixando noutra, já batida, de que a idade torna uma pessoa mais madura, quando o sentido verdadeiro é que idade a torna mais cética e sem confiança nas suas relações interpessoais, quaisquer que sejam elas.
Para manter algumas amizades, a cada dia que passa muita gente tenta usar de falsidade interior para aceitar os amigos como eles são, como se alguém pudesse ser de outra maneira que não a sua própria.

Torna-se um dilema quando se percebe que não existe reciprocidade, requisito natural em razão da necessidade de identidade natural de valores. Mesmo dispensando as implicações mais fortes do cotidiano, poder-se-ia conviver com as fixações de sinceridade, fidelidade e correção. Existindo sinceridade em qualquer situação já seria suficiente para se manter uma amizade, senão profunda, confiável.

Quando muitos pensam que falta lugar até do lado direito do peito para acomodar tantos amigos, começam a surgir vagas quando se descobre que num amigo estaria faltando um dos valores referidos e o afastamento é inevitável. E existe um vácuo de todos os requisitos de uma amizade plena na maioria. Isso esvazia o pobre coração confiante e feliz até então. Com o mundo todo supervalorizando a concorrência desleal, a vantagem indevida, o primeiro lugar a qualquer custo, a amizade baseada no calor humano – o sentimento, o querer bem ao outro – fica a cada dia apenas no imaginário dos românticos.

Hoje, você sabe quanto custa financeiramente cada pretenso amigo. Existem pessoas sustentando a amizade somente, e na proporção, da expectativa de vantagens que poderiam tirar.

Por causa desse tipo de amigo, muita gente está com o lado esquerdo desocupado, mesmo querendo mantê-lo lotado de apreço, de carinho, de amor para compartilhar. Milhões de corações estão vazios; tristes; até desolados. A quantidade de pessoas que só têm interesses mesquinhos é bem maior.

Não se sabe se teria cura para tanto egoísmo. Com certeza, muitas pessoas não compreendem quanto o seu gosto apenas por objetos infelicitam outras que valorizam troca de informação, bate-papo, brincadeiras, histórias, além de um ombro e ouvido dignos de uma bela confissão. Aquela coisa boba que só tem importância para quem conta com exclusividade para aquele ouvido louco para registrar a tolice. Apenas um sonho de saudosista, inimaginável para os amigos-objeto.


POSTADO POR FOCOPB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário