4 de outubro de 2011

Só pode ser piada.


Líderes da oposição e da base aliada da presidente Dilma Rousseff estão defendendo um projeto para regulamentar o teto dos servidores públicos nos três Poderes.
A imprensa divulgou desde ontem que a Casa Civil enviará ao Congresso um projeto para regulamentar esse teto, cujo valor equivale à remuneração de um ministro do Supremo Tribunal Federal (R$ 26,7 mil).
Deputados e senadores nunca foram favoráveis ao estabelecimento de um teto salarial para os servidores. Aliás, defendem teto para os outros, mas para eles o céu é o limite.
Agora, para aparecer bonitinho, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza , disse achar que a proposta deve ser bem recebida pelos deputados.
A opinião, para inglês ver, é a mesma do líder do PT na Casa, Paulo Teixeira (SP). O deputado disse que o fato de o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ser um dos que recebe acima do teto não deve prejudicar a votação de um projeto como esse.
Atualmente, a Constituição diz que o vencimento no Executivo, no Legislativo e no Judiciário não pode ultrapassar o limite legal. Mas nenhuma lei define quais benefícios são classificados como vencimento, por isso cada Poder cria seu entendimento.
Viram aí: nenhuma lei define quais benefícios são classificados como vencimento, por isso cada Poder cria seu entendimento.
A ausência de um critério único permite que algumas autoridades tenham vencimentos que rompem a marca dos R$ 60 mil, como é o caso de Sarney. A estimativa é do Ministério Público Federal.



POSTADO POR GENILDO ALVES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário