6 de outubro de 2011

Para promotor, caso das emendas na Assembleia ganhou importância.

O promotor de Justiça Carlos Cardoso afirmou que o caso da suposta venda de emendas por deputados estaduais de São Paulo ganhou maiores proporções e o pode conter crimes que poderão ser investigados pelo Procurador-Geral de Justiça de São Paulo, o chefe do Ministério Público estadual.

"Sem emitir juízo de valor, ele [o caso das emendas] ganhou uma dimensão muito grande, pela sucessão de acontecimentos, com as entrevistas que o deputado [Roque Barbiere] deu e os levantamentos que imprensa fez", disse o promotor.

Cardoso comentou as informações da reportagem da Folha de hoje que apontou emendas de deputados em favor de municípios nos quais eles tiveram votação inexpressiva.

"Para mim foi uma novidade. Eu imaginava que as emendas fossem destinadas exatamente para cidades onde os deputados têm a sua base eleitoral. Mas não quero adiantar nenhum juízo de valor sobre esse fato. É mais uma informação que será considerada pelo Ministério Público na investigação", afirmou.

O promotor disse que se as acusações de Barbiere forem confirmadas o caso terá um desdobramento na área criminal, e nessa hipótese será apurado pelo Procurador-Geral de Justiça Fernando Grella.

"Se nós conseguirmos demonstrar a materialidade de atos de improbidade administrativa nos termos colocados pelo deputado [Barbiere], certamente estaremos diante de crimes, e então teremos duas investigações, uma cível e uma criminal.

O promotor explicou que na esfera criminal os deputados têm foro privilegiado e o caso seria apreciado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, com a acusação feita pelo chefe do Ministério Público estadual.

O promotor disse que Barbiere ligou para ele hoje e informou que está se dedicando à sua filha que nasceu prematuramente, e na próxima segunda-feira entrará em contato com o Cardoso para agendar seu depoimento ao Ministério Público.





POSTADO POR GENILDO ALVES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário