2 de outubro de 2011

Justiça fixa fiança de motorista de Camaro em R$ 245 mil.

O estudante Felipe de Lorena Infanti Arenzon, 19, preso ontem sob a acusação de dirigir embriagado, bater em seis veículos e deixar um homem de 55 anos com 90% do corpo queimado, poderá sair da prisão na segunda-feira.

Hoje, a Justiça determinou o pagamento de uma fiança de R$ 245 mil para que ele possa responder em liberdade ao inquérito policial por tentativa de homicídio (por assumir o risco de dirigir em alta velocidade), embriaguez ao volante e fuga do local de acidente.

O juiz Rodrigo de Azevedo Costa, do Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais), aceitou um pedido de liberdade provisória feito pelo advogado João João César Cáceres, defensor de Felipe, e fixou o pagamento da fiança.

O magistrado também levou em consideração o fato de que Felipe não tem antecedentes criminais, tem endereço fixo e trabalha.

De acordo com Cáceres, a família de Felipe, dona do hotel de alto padrão Rancho Silvestre, em Embu das Artes (Grande São Paulo), está tentando disponibilizar o valor da fiança.

CAMARO


Felipe foi preso na manhã de ontem depois de causar uma série de acidentes com seu Chevrolet Camaro. O jovem saía de uma balada.

Segundo a polícia, Felipe, filho do vereador de Embu das Artes Milton Arenzon (PMDB), estava embriagado. Ele foi preso em flagrante. O veículo custa cerca de R$ 200 mil.

A série de acidentes começou na avenida Sumaré (zona oeste de SP) onde o jovem em alta velocidade bateu em ao menos quatro veículos. Ele só parou após atingir mais dois carros na avenida Inajar de Souza (zona norte). Felipe, segundo a polícia, ainda tentou fugir a pé se escondendo em uma casa na região.

Os acidentes aconteceram em um intervalo de menos de uma hora e em um trajeto de 8,5 km. Na última batida, uma Towner pegou fogo e o motorista Edson Roberto Domingues, 55, ficou gravemente ferido.

"Só o rosto dele não foi atingido", disse Francisco Neco Mendes, 40, amigo do motorista ferido.

O helicóptero Águia da PM foi acionado para resgatar a vítima na Inajar de Souza, que teve o trânsito interrompido ontem pela manhã.

Além da Towner, na Inajar, Felipe também bateu em um Palio, com três pessoas. As vítimas tiveram ferimentos leves. A polícia investiga se entre os dois acidentes Felipe também atropelou pedestres na ponte da Freguesia do Ó.

O delegado Marcos Flório Manarini, do 28ë DP (Freguesia do Ó), disse que o motorista se recusou a fazer o teste do bafômetro e que dentro do Camaro havia uma lata de cerveja. "Ele apresentava odor etílico, voz pastosa e dificuldade de se expressar", disse o delegado.

Felipe foi levado ao IML (Instituto Médico Legal), onde passou por exames que vão confirmar se ele estava ou não alcoolizado. O jovem, diz a polícia, provocou os acidentes após sair da boate Villa Country, na Barra Funda (zona oeste).

Testemunhas disseram à polícia que Felipe invadiu a motofaixa na Sumaré e quase atingiu um motoqueiro antes de colidir com ao menos quatro veículos.

Parte do para-choque do Camaro, que pode chegar a 300 km/h, ficou caído na avenida. "O Camaro passou voando e estourou o meu retrovisor. Parecia que nada ia detê-lo", disse a professora Elissa da Costa Mattos, 40.

"Parecia cena de filme", falou Gilberto Costa de Oliveira, 47, professor, e que teve seu Fiesta, comprado há 15 dias, batido.

OUTRO LADO


O advogado Cáceres disse que seu cliente está em estado de choque e sem condições de narrar o que aconteceu. "Até agora [noite de ontem], ele não consegue entender tudo aquilo. Ele é um rapaz que não tem histórico de bebedeiras e é trabalhador."

O pai de Felipe passou mal ao saber dos acidentes causados pelo filho ontem e precisou de atendimento médico. "A gente vê isso toda semana, mas nunca imagina que vai se passar com a nossa família. Só posso pedir desculpas às vítimas e aos seus familiares. Lamento muito o sofrimento dessas pessoas", disse o vereador Arenzon.

Segundo ele, o filho comprou o Camaro envolvido nos acidente há cerca de dez dias, em sociedade com um irmão e outro parente. "Fui saber que ele estava com esse carro quando me falaram do acidente. Ele mora com a avó [em Pinheiros, zona oeste de SP]. Sempre foi um menino trabalhador e nunca se envolveu em confusão. É tudo muito triste."



POSTADO PATRICIA ALVES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário