3 de agosto de 2011

Segurança pública ineficaz encobre até as maravilhas da criação do mundo


Entre tantas, a maior diferença entre administrar uma prefeitura e um governo estadual está na segurança pública. Sem essa responsabilidade direta, as gestões municipais se sentem mais livres para desfrutar dos resultados de ações e obras na cidade.
 
Já o governo, não.
 
Por mais que obtenha bons resultados em outras áreas, que gere emprego, que construa escolhas, melhore atendimento dos hospitais, todo governo terá dificuldades em se colocar positivamente diante da sociedade se não garantir uma segurança pública de qualidade.
 
Deus fez maravilhas ao criar o mundo. Do céu à terra, dos animais às plantas, dos mares ao próprio homem, Deus mostrou toda sua força. Mas a morte de Abel nas mãos de Caim ganhou na Bíblia tanta repercussão quanto à criação do mundo.
 
Em outras palavras, de nada vai adiantar o governador Ricardo Coutinho (PSB) dar um grande salto na Paraíba se não conseguir pular o obstáculo da insegurança.
 
Maquiavel dizia que o povo só não aceita ser oprimido. E nada mais opressor do que o medo da bandidagem, sentimento que aplaca a população paraibana. Tudo bem que a escalada da violência é algo de vários anos, mas alguém tem que barras as estatísticas do mal.
 
Então, vai a dica: em 2012, o governo Ricardo Coutinho deve preparar um orçamento que assegure o maior investimento em segurança pública já feito na história desse estado. Deveria chocar com os números.
 
Como se auto proclama um governo sério, a atual gestão terá condições de aplicar, sem desvio, cada centavo em estruturação, reforço policial e melhoria salarial. Caso contrário, vai ter dificuldades em comemorar avanços em outras áreas.
 
Pecar com a segurança pública depõe contra todo o governo.
 
postado por Genildo Alves.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário